domingo, 29 de junho de 2014

HERÓI OU VILÃO, FALTOU LUISITO SUÁREZ


Duas tradicionais seleções campeãs mundiais disputam um jogo tenso, nervoso, que vale vaga nas oitavas-de-final da Copa do Mundo. Confusão na área. Jogadores uruguaios e italianos se debatem na tentativa de encontrar espaço para fazer ou evitar o gol. De repente, um grito. De dor. O zagueiro italiano Giorgio Chiellini fica caído no chão, vítima de uma mordida no ombro.
O árbitro não vê o lance e sequer mostra cartão amarelo. O jogo prossegue.
A seleção do Uruguai vence a partida por 1 x 0. Mas a Copa do Mundo acaba para um jogador da Celeste: Luisito Suárez, o autor da mordida em Chiellini. Provavelmente o melhor jogador da mais recente safra de talentos do Uruguai. O atacante aguerrido, habilidoso, com faro de gol, que superou uma séria lesão no joelho e conseguiu estar na Copa. O craque.
Não foi a primeira mordida, nem a segunda. Foi a terceira vez. E isso deixa claro que o problema de Suárez é emocional. E não disciplinar. Se ele cometeu três vezes uma atitude impensada como essa, deve ser julgado pelo que é, não pelo que fez.
Sendo assim, qual o sentido em punir o futebol? Em deixar a Copa com menos brilho?
Dessa vez, a FIFA resolveu suspendê-lo por 9 jogos e 4 meses sem jogar. Mais: O uruguaio sequer pôde estar junto de seus companheiros de seleção para a partida que seria derradeira, contra a Colômbia. Nem no hotel nem no Maracanã.
A pergunta que fica: com essa medida, todos agora estão certos de que Luisito jamais “morderá” outro adversário? Outra pessoa? Tal atitude não faz parte de sua personalidade, mas sim de sua essência. É uma questão psicológica. Não tem a ver com sua profissão, com o futebol.
Então por que não se interna o jogador para tratamento psiquiátrico?
Ele não pode jogar futebol por 4 meses, mas pode continuar sua vida normalmente junto das pessoas? E se morder alguém na fila do cinema?
E por que não pôde estar junto com o elenco da seleção uruguaia? Acredito fielmente que ele não “morderia” um compatriota, por exemplo.
Certo ou errado, Suárez é um personagem do futebol, da Copa. Um baita jogador. A inspiração que o Uruguai teve na partida contra a Inglaterra e que, com sua ausência, não teve no primeiro jogo contra a Costa Rica e na despedida do torneio diante da Colômbia.
O herói de sua seleção na Copa de 2010 quando evitou um gol de Gana com as mãos no último minuto de partida, se tornou o vilão da eliminação na Copa de 2014?
Se Luisito estivesse em campo, o Uruguai seria mesmo eliminado?
Para todos os uruguaios, jogadores e torcedores, Suárez não é vilão. É um herói. Um herói morto na Copa, mas um herói. E todos os uruguaios "morreram" na Copa junto com ele. Centenas de torcedores usando sua máscara no Maracanã comprova que, por tudo o que já fez, Suárez continua idolatrado pelo povo de seu país. Uma sensação de que todos os uruguaios morderam Chiellini, não apenas o craque da seleção. E todos vão juntos para casa. Não importa o que digam.

O próprio zagueiro italiano Chiellini, que ficou com a marca dos dentes de Luisito no ombro, considerou exagerada a punição dada pela FIFA.
É claro que a patrulha do Politicamente Correto está sempre a postos. E condena a atitude de Suárez. O uruguaio é “doente, desumano, nojento, louco, violento”. E “mereceu” o banimento da Copa.
Mas quem de fato foi punido?
Castigou-se o Uruguai, que ficou sem sua inspiração e talvez por causa disso foi eliminado pela Colômbia.
Castigou-se o futebol bem jogado e a Copa do Mundo, que ficou sem um de seus personagens.
E Luis Suárez continuará o mesmo.

2 comentários:

Maria Silva disse...

O juiz devia ter punido com cartão vermelho o ato de violência, certamente o Uruguai seria mesmo eliminado sim. Suárez talvez com essa punição entenderá que estragou a festa. Sim, "talvez", pode prejudicar ainda mais o seu estado, mas pode ser que ele melhore. Enfim, agora aprecem os justiceiros injustos acostumados a condenarem. Acredito que a impressa influenciou diretamente a decisão da Fifa e por conta do sensacionalismo. A Copa perdeu Suárez de forma cruel sim.

Adriano Oliveira disse...

Suárez possui um problema emocional. Punir sua atitude impensada de forma disciplinar não mudará seu comportamento. Ele foi punido como jogador, não como cidadão. Se essa é a terceira vez, ele deve ser punido pelo que é, não pelo que fez. Quem perdeu foi o futebol.