sábado, 6 de setembro de 2014

FRASE, Carlos Miguel Aidar

" - Eu acho que não se pode punir o clube quando você identifica o torcedor. Suponha que alguém mal intencionado se misture à torcida do São Paulo, atire alguma coisa no campo e o clube, mesmo identificando o sujeito, acaba sendo punido (...) Ela deve pagar pelo crime de racismo, que é inafiançável, tem que ser presa, detida, processada. Na minha opinião, ela é a grande responsável, jamais o clube."
(Carlos Miguel Aidar, presidente do São Paulo, sobre a exclusão do Grêmio da Copa do Brasil pelo STJD devido à insultos racistas de seus torcedores ao goleiro santista Aranha, e referindo-se à torcedora flagrada em imagens de TV).

Um comentário:

Adriano Oliveira disse...

A exclusão do Grêmio por atos racistas de seus torcedores pode abrir um precedente perigoso, como disse o dirigente são-paulino. Um torcedor rival, por exemplo, se infiltrar na torcida adversária no intuito de cometer algo que possa prejudicar o clube oponente. O torcedor deve ser responsabilizado por seus atos, não o clube.